Previsões econômicas para 2017 | Sicoob Crediprata - Cooperativa de Crédito

Notícias

Previsões econômicas para 2017

Leia Também

Saiba o que esperar e como preparar-se melhor.



Em 2016, a economia brasileira completou o segundo ano consecutivo em recessão, situação inédita desde o biênio 1930-31. Mas as previsões econômicas para 2017 demonstram que o país caminha rumo a uma recuperação, apesar dos indicadores ainda não apontarem exatamente uma tendência de crescimento, senão, na maioria dos casos, um decréscimo menor.

Segundo previsões do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da FIESP divulgado pelo IBGE em Dezembro/2016, “o ritmo de recuperação deverá ser mais lento do que o observado em ciclos recessivos anteriores”. O Boletim Macro do IBRE/FGV de Março/2017 confirma essa visão, avaliando que “a normalização do quadro econômico será lenta e sujeita a turbulências”.

Afinal, o que deverá subir e descer de preço?
O que esperar o mercado de trabalho?
Como as políticas monetária e fiscal deverão interferir nos resultados?

Para descobrir as respostas a essas e outras perguntas, veja a seguir um resumo das principais análises e tendências econômicas e financeiras para este ano. E entenda como preparar-se melhor.

– Atividade econômica brasileira

Em 2016, a queda do PIB brasileiro foi disseminada entre todos os setores da economia: –2,3% no setor agropecuário, –4,1% na indústria e –3,2% no setor de serviços (Depecon-FIESP/IBGE).

Mas as prévias do Boletim IBRE/FGV indicam evolução do PIB trimestral em 2017, saindo de +0,3% no primeiro trimestre para +0,6% no último. Uma aceleração que deverá ser impulsionada, principalmente, pela agropecuária e pelas indústrias extrativas minerais e de transformação, que vêm apresentando sinais de expansão.

Porém, o boletim também destaca que ainda é cedo para avaliar os impactos da Operação Carne Fraca sobre o nível de atividade e de exportações do setor, que seriam importantes vetores de crescimento este ano.

As projeções de longo prazo, para 2018, já incluem um otimismo maior, com expansão dos investimentos e do setor de serviços, alcançando um crescimento previsto de aproximadamente 2%. Um percentual que, apesar de baixo, interrompe uma série negativa histórica.

– Consumo, preços e índices de confiança

Os índices de confiança de empresas e consumidores subiram pelo segundo mês consecutivo em fevereiro, segundo o boletim do IBRE/FGV. O que provavelmente é devido a notícias favoráveis, como a queda da inflação e a liberação das contas inativas do FGTS.

Aliás, a inflação vem regredindo em ritmo surpreendente. Em fevereiro, a taxa do IPCA foi de 0,33%, a menor para o mês desde o ano 2000. Uma queda puxada, principalmente, pelo grupo de alimentação no domicílio, mas também acompanhada por outros bens de consumo.

O consumo das famílias, porém, permanece negativo no primeiro trimestre do ano. Mas deve ser positivamente impactado, a partir do segundo trimestre, pela liberação das contas inativas do FGTS. O que também deve contribuir para uma redução do nível de endividamento das famílias.

Contudo, é necessário cautela. Segundo os especialistas, é recomendável priorizar a quitação de dívidas e manter uma reserva financeira de emergência, antes de pensar em sair gastando toda a nova renda.

Afinal, alguns preços ainda não apresentam sinais de baixa:

– A maioria das contas de telefone fixo e celular, por exemplo, ficaram mais caras a partir de janeiro, com a permissão de cobrança de ICMS sobre o valor das assinaturas. O que também pode aumentar o preço de combos que incluem TV por assinatura e Internet.

– Outro exemplo é o combustível, impactado pela nova política de preços da Petrobras, que passa a considerar mensalmente as cotações internacionais para decidir se reajusta ou não os valores cobrados.

Por outro lado, os preços de cestas básicas, aluguéis, imóveis para compra e carros devem apresentar redução ao longo de 2017.

Nesse contexto, o consumidor deve permanecer alerta, pesquisando bem os preços, planejando seu orçamento com atenção e gastando com parcimônia. Mas a austeridade provavelmente será menor, em um cenário de maior otimismo.

– Mercado de trabalho

Em dezembro de 2016, a taxa de desemprego no Brasil chegou a 12%, segundo pesquisa contínua do IBGE (PNAD). E em janeiro deste ano, essa taxa de desempregados aumentou para 12,6%.

Porém, em fevereiro, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) registrou a criação de 35,6 mil vagas, devido principalmente ao efeito sazonal característico dessa época do ano. E mesmo quando é calculado o ajuste sazonal, ainda percebe-se uma leve melhora frente aos últimos 22 meses.

Assim, a previsão dos economistas do IBRE/FGV é que haja lenta e gradual queda do desemprego ao longo de 2017, registrando patamares próximos aos 11% nos últimos trimestres do ano.

É importante avaliar também as transformações pela qual o mercado de trabalho está passando, a exemplo da regulamentação da terceirização no país, sancionada pelo presidente Michel Temer no último 31 de março.

Certamente, a medida representa uma flexibilização do mercado de trabalho. Mas deverá ainda ser acompanhada pela reforma trabalhista, cuja votação deverá ocorrer no próximo mês, incluindo salvaguardas para os trabalhadores afetados pela terceirização.

Diante disso, é bom ficar atento, criando e mantendo uma reserva de emergência que proteja suas finanças de possíveis instabilidades; investindo sempre em ganho de conhecimento e especialização; compreendendo melhor o valor do seu tempo (ganho/hora trabalhada); e dinamizando suas tarefas e rendas para acompanhar essas tendências de flexibilização.

– Políticas monetária e fiscal

A recente desinflação é, em grande parte, resultado da política monetária que tem sido adotada pelo Banco Central, cuja nova administração tem demonstrado firmeza. A isso, certamente, alia-se o ambiente internacional, que permitiu mudanças recentes na percepção de risco. Além da aprovação da PEC de ajuste fiscal que limita os gastos públicos.

Conquanto, no tocante à política fiscal, o Brasil vem passando por uma intensa deterioração na arrecadação, com quedas da receita até maiores que as do PIB.

De acordo com o boletim trimestral do IBRE/FGV, “De fato, o maior risco atual para a economia brasileira é a crise fiscal. No curto prazo, as notícias ainda são ruins, mas do ponto de vista da consolidação das contas públicas é mais relevante que a política fiscal volte ao terreno positivo no médio prazo. Para atingir esse objetivo, é necessário o cumprimento do teto dos gastos públicos. Nesse sentido, a reforma da Previdência é crucial para que essa regra seja de fato cumprida”.

Portanto, apesar da administração atual ter pela frente um desafio de difícil superação, os brasileiros já começam a avistar uma luz no fim do túnel. Com planejamento, cautela e educação financeira, certamente, poderemos chegar lá.

Fonte: Seu Dinheiro Vale Mais